sexta-feira, 9 de novembro de 2007

RICHARD ZIMLER EM S.JOÃO DA MADEIRA

S. João da Madeira volta a estar no mapa das grandes digressões mundiais de grandes escritores. Hoje, será a vez da estreia de RICHARD ZIMLER - escritor norte-americano, naturalizado português, em terras sanjoanenses.
Esta sua vinda encontra-se inserida numa digressão que o autor está a efectuar por todo o país, com vista a promover a sua mais recente obra, A SÉTIMA PORTA.
A sessão de apresentação decorrerá hoje, sexta-feira, dia 9 de Novembro, a partir das 21H45 na LIVRARIA ENTRELINHAS (R. João de Deus, 167) em S. JOÃO DA MADEIRA.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

UM OLHAR NO PASSADO: O FILO-CAFÉ DE S. JOÃO DA MADEIRA

Na mui famosa rubrica de regresso ao passado deste (nada) famoso blog, debruçamos-nos sobre o Filo-Café "POESIA E MULHERES, TODOS AOS SEUS TALHERES" - O primeiro Filo-Café realizado em S. João da Madeira, a 16 de Março de 2006, sexta-feira, pelas 22H30.

Aqui ficam algumas fotos do evento...



Antes do Evento, uma amena cavaqueira...



Alberto Augusto Miranda dando início ao Filo-Café



Alexandre Teixeira Mendes intervindo com uma pequena
explanação sobre o tema do Filo-Café



Jorge Neves intervindo no Filo-Café


Jorge Velhote intervindo no Filo-Café



Teixeira Moita (Live at Filo-Café de S. João
da Madeira)



Alexandre Teixeira Mendes, Salviano Pinto (José Efe),
Jorge Neves entre amigos



Uma sanjoanense intervindo no Filo-Café



Filipa Aranda dando inicio à sua performance



Tiago Moita exprimindo a sua opinião sobre a performance
de Filipa Aranda



Jorge Neves exprimindo a sua opinião sobre a performance
de Filipa Aranda



Sónia Alves dando declamando um poema no Filo-Café



Raquel Estrada intervindo no Filo-Café



Daniela



Maria João Mira



Manuel Guimarães (Um pianista excepcional)



Amílcar Mendes e a estória da Nêspera (Mário Henrique
Leiria)



Jorge Velhote declamando "Poesia de Pantagruel"



Tiago Moita declamando o poema "A PELE DOS POEMAS"



Alexandra Bernardo (en)-cantando um poema de António
Ramos Rosa (acompanhada ao piano por Alberto Augusto
Miranda)

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

ARTE EM MOVIMENTO (ARAHNA LENA)


ARAHNA LENA

Port Folios (GEORGE PICHL)

UMA PEDRA É UMA PEDRA. DUAS PEDRAS, TRÊS
GEORGE PICHL

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

UM OLHAR NO PASSADO: O FILO-CAFÉ DE BRAGA (15-01-2005)

Nesta rubrica de regresso ao passado, relembro o magnífico (sem exageros...) Filo-Café de Braga, no Insólito Bar, a 15 de Janeiro de 2005, Sábado à noite. Guardo dele as melhores recordações e as melhores impressões (digitais), também porque foi o primeiro que assisti na vida e onde conheci dezenas de pessoas ligadas às artes de muitas partes do mundo.
O Filo-Café teve como tema TEATRO: AUTOR E PERSONAGEM, e debruçou-se, como o próprio título explica sobre temáticas em volta do mundo do teatro.
Ficam as fotos do evento, como testemunho das impressões retiradas desse fabuloso evento:
José Marques (Que cedeu gentilmente a Máquina Digital)

Alberto Augusto Miranda e Luísa Mota
Alberto Peixoto (interpretando "4,33" de John Cage)
José Carlos Teixeira Moita (MC - Mestre de Cerimónias)

Wiliam Galvão (Declamando um poema de
José Carlos Teixeira Moita)

Jorge Louraço (E a sua caixa mágica)
Jorge Louraço e Teixeira Moita (Localidades com o nome
"Nazaré")

António Pedro Ribeiro, Alberto Augusto Miranda e o
Vicente (indescritíveis)
Alberto Augusto Miranda (Otília e Carlos Marnoto, no 2.º
Plano Esquerdo)
José Miguel Braga - Professor Universitário de Artes Dramáticas
na Universidade do Minho (Dando a deixa para a aparição de Merlin)

Camilo Silva - Professor Universitário de
Artes Dramáticas da Universidade do Minho
(Ei-lo Merlin das Brumas do Brumário)

Alberto Augusto Miranda (Em contacto com Antonin Artaud)

Tiago de Vasconcelos e Moita declamando o poema "O ACTOR"

A actriz Isabel Fernandes Pinto (Contando
a Estória do Elefante)

Da esquerda para a direita: Alberto Augusto Miranda;
Vicente; António Cubales; Deborah Nofret e
Aurelino Costa

Tiago de Vasconcelos e Moita com Rui Apolinário (O autor
destas fotos)

António Pedro Ribeiro (Meditando sobre a liberdade)

Alexandra Bernardo (En-cantando)

Alberto Augusto Miranda (Dominando o piano)

Alberto Augusto Miranda e Aurelino Costa (preparando o
momento)
Aurelino Costa (Declamando Régio Regimento)
Aurelino Costa (Truca-truca-truca-truca...)

terça-feira, 9 de outubro de 2007

LEMBRAR EUGÉNIO DE ANDRADE



Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos,
como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Entre os teus lábios
é que a loucura acode,
desce à garganta,
invade a água.

No teu peito
é que o pólen do fogo
se junta à nascente,
alastra na sombra.

Nos teus flancos
é que a fonte começa
a ser rio de abelhas,
rumor de tigre.

Da cintura aos joelhos
é que a areia queima,
sol é secreto,
cego o silêncio.

Deita-te comigo.
Ilumina meus vidros.
Entre lábios e lábios
toda a música é minha.

Diz homem,
diz criança,
diz estrela.

Repete as sílabas
onde a luz é feliz e se demora.

Volta a dizer: homem, mulher, criança.
Onde a beleza é mais nova.

É na escura folhagem do sono
que brilha
a pele molhada,
a difícil floração da língua.

Música, levai-me:

Onde estão as barcas?
Onde são as ilhas?

Procura a maravilha.

Onde um beijo sabe
a barcos e bruma.

No brilho redondo
e jovem dos joelhos.

Na noite inclinada
de melancolia.

Procura.

Procura a maravilha.

A boca,
onde o fogo
de um verão
muito antigo

cintila,

a boca espera

(que pode uma boca
esperar
senão outra boca?)

espera o ardor
do vento
para ser ave,
e cantar.

Levar-te à boca,
beber a água
mais funda do teu ser

se a luz é tanta,como se pode morrer?

Sê tu a palavra

1.Sê tu a palavra,
branca rosa brava.

2.Só o desejo é matinal.

3.Poupar o coração
é permitir à morte
coroar-se de alegria.

4.Morre
de ter ousado
a água amar o fogo.

5.Beber-te a sede e partir
– eu sou de tão longe.

6.Da chama à espada
o caminho é solitário.

7.Que me quereis,
se me não dais
o que é tão meu?

Colhe todo o oiro
Colhe
todo o oiro do diana haste mais alta
da melancolia.

Ainda sabemos cantar,
só a nossa voz é que mudou:
somos agora mais lentos,
mais amargos,
e um novo gesto é igual ao que passou.

Um verso já não é a maravilha,
um corpo já não é a plenitude.
Nunca o verão se demorara
assim nos lábios
e na água
- como podíamos morrer,
tão próximos
e nus e inocentes?

Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargurados meus dias partidos um a um
- Eu vi a terra limpa no teu rosto,
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum

De palavra em palavra
a noite sobe
aos ramos mais altos
e canta
o êxtase do dia.

Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti rasguei ribeiros
e dei ás romãs a cor do lume.

Húmido de beijos e de lágrimas,
ardor da terra com sabor a mar,
o teu corpo perdia-se no meu.

(Vontade de ser barco ou de cantar.)

Sê paciente;
espera
que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça.

Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias.
À breve,
azul cantilena
dos teus olhos quando anoitecem.

Eram de longe.
Do mar traziam
o que é do mar:
doçura
e ardor nos olhos fatigados.

A raiz do linho
foi meu alimento,
foi o meu tormento.

Mas então cantava.

Às vezes tu dizias:
os teus olhos são peixes verdes!
E eu acreditava.

Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos.

Era no tempo em que o teu corpo era um aquário.

Era no tempo em que os meus olhos
eram os tais peixes verdes.

Hoje são apenas os meus olhos.

É pouco,
mas é verdade:
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.

Quando agora digo:
meu amor...,
já não se passa absolutamente nada.

E no entanto,
antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.

O passado é inútil como um trapo.

E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus

Eugénio de andrade (1923 - 2005)

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

UM OLHAR NO PASSADO: O FILO-CAFÉ BRUNO E BURMA

Realizado a 1 de Julho de 2006, o Filo-Café "Bruno e Bruma", no Clube Literário do Porto, foi um dos Filo-Cafés mais concorridos e participados de sempre! Esse Filo-Café foi realizado de modo a homenagear a vida e obra do célebre filósofo e jornalista portuense Sampaio Bruno.

Ficam aqui algumas fotos desse evento:

Numa amena tertúlia na Avenida dos Aliados - Porto



O público que assistiu ao Filo-Café "BRUNO E BRUMA"

A irmã de Alberto Augusto Miranda entre os presentes

A performance da Filipa Aranda


A declamação poética de Cruz Martinez
A declamação Poética de Rosanegra


Tiago Moita declamando o Poema "O Fogo dos Homens"
No Filo-Café "Bruno e Bruma"