segunda-feira, 16 de junho de 2008

CREPÚSCULO

O horizonte, lâmina do céu
Espelha um rosto em movimento
A miragem muda

O céu, camaleão boreal
Assiste sem língua à morte do sol
A menstruação da tarde

O sol, seio de luz
Despede-se do mundo que o respira
Sem lágrimas

As nuvens, rebanhos de sonhos
Devolvem a virgindade ao crepúsculo
A melancolia do tempo

A lua apresenta a noite
E o silêncio que fermenta o sangue
Com que são feitos os versos
As palavras proibidas
Esquecidas por entre as sílabas do sono
Os ecos das sombras do dia
Que a noite afoga num abraço
Pelos abismos do olvido

O mel da vida

TIAGO MOITA

Nenhum comentário: