quinta-feira, 11 de junho de 2009

VESTIDO DE SALVAÇÃO

Os meus nervos são fissuras
de castanho poente à luz

a luz come-se com jangadas de tristeza
nas madrugadas esfomeadas
e a noite foi feita para partir
os espelhos
e os esconderijos são abutres pintados
com sal

ardem sonhos de volúpia
nos vídeos esborrachados de sangue
os crânios quebrados com dinamite
e espadas cortando a nossa carne
no pescoço
explodem

e explodem navios imberbes
com cascos naufragados das ilusões
desvios crustáceos de sono
tombados na funesta neblina das marés

náuseas revolteando nas almas
almas com náuseas revolvidas com tambores
e sal misturado com areia nas praias

as árvores são bosques antigos onde não nos
encontramos

deixem correr o mar deixem
deixem os pedaços do tempo embater em icebergues
deixem os cascos com barcos altos de fumo
enfumar-se na distante selva da orla

porque nós nada disto somos
ossadas compõem nossas paredes gastas
na arruaçada
e somos fragilidades empastadas
de lagoas secas no interstício

bate nas estradas velocissimamente
enlutado bate
bate raspando as lápides
do destino bate
porque a existência um dia te murmurará:
parte para onde as lágrimas desvelem
parte para onde o mundo se intercepte de vestidos
porque o sol cai nas vielas com frio
e nós tombamos cuspidos pela tísica foice
da salvação

abramos o vestido.

Carlos Filipe Vinagre
"Moluscos de Mântua" (Incomunidade, 2009)

Nenhum comentário: