domingo, 21 de abril de 2013

Poema "PROMESSA" de Tiago Moita


PROMESSA

 Um dia julgaremos de olhos fechados
sem pedras na boca nem lágrimas nos dedos
quem nos tentou ferir e ignorar
como se fôssemos uma praga desconhecida
do umbigo do mundo

Soltar a voz que nos guia 
como quem mastiga o silêncio 
de uma página em branco
abraçar o presente que nos rejeita
como quem beija pela última vez 
a vida entre dois tempos

Fazer da nossa aura índigo 
farol da humanidade
burilar a luz sem palavras
recorrendo ao sangue do verbo
que fez parir o universo

Marcharemos sobre cidades mudas
fantasmas em ruínas e naturezas mortas
como serpentes de fogo
em florestas virgens 
com corações em flor
como espadas
e o terceiro olho
como bússola

Por onde passarmos 
expiaremos sombras de espelhos
derrubaremos muros e montanhas cinzentas
queimaremos as últimas películas fotos
quadros partituras e poemas gastos
pela usura da idade
de fotocópias baratas de grandes génios
numa chama violeta

E então...

Celebraremos a morte do sono
com uma lua lavrada no rosto 
e uma visão oblíqua do homem no mundo
tempo terá o fulgor de um poema 
e Ser ou Não Ser será uma certeza
e nunca mais uma questão 
de perspectiva.

Tiago Moita
"Post Mortem e Outros Uivos"
WorldArtFriends/Corpos Editora
Porto, 2012

Nenhum comentário: