quarta-feira, 2 de julho de 2014

SOBRE A SEGUNDA SESSÃO POÉTICA MENSAL "UM CAFÉ COM...POESIA" NA CONFEITARIA COLMEIA EM SÃO JOÃO DA MADEIRA (01.07.2014, 21H30)

UMA NOITE FEITA DE FOGO FORTE E SILÊNCIO

Todas as noites mensais de Poesia nos cafés e bares de São João da Madeira são diferentes uma da outra. Sem ninguém dar conta, chega sempre uma cara desconhecida ou um convidado com um(a) estreante nas lides poéticas, contra o tempo e contra todas as circunstâncias. A noite passada foi uma dessas. De todas as pessoas presentes em mais sessão poética mensal "Um Café com...Poesia" destaco essencialmente a presença do meu querido amigo, o professor Josias Gil: um homem que sempre admirei pela sua coragem, convicções, cultura e amizade. Apesar do seu estado débil provocado pela doença que combate todos os dias como um fogo que não teima em se apagar numa tempestade, o meu ilustre amigo e actual presidente da Assembleia Municipal de São João da Madeira, presenteou a todos com a sua presença e intervenção, lendo, não um, não dois mas CINCO poemas! Um gesto de resistência, coragem e amor à Poesia e à amizade que nunca irei esquecer.

Quanto à sessão em si, a Poesia soltou-se, mais uma vez, sem conhecer fronteiras e estilos. Apesar da ausência forçada e justificada de Edmundo Silva, Tiago Moita abriu as hostes com o poema "O Livro" de Manuel de António Pina e, subitamente, atravessaram-se séculos, relembraram-se poemas e poetas, uns conhecidos, outros desconhecidos e ainda outros esquecidos numa gaveta ou num telemóvel de alguém. Deu-se voz à poesia de Carlos de Oliveira, José Carlos Ary dos Santos, Sophia de Mello Breyner Andresen, Carlos Poças Falcão, Eugénio de Andrade, António Aleixo, Júlio Dantas (seguido de uma versão curta do célebre "Manifesto Anti-Dantas de José de Almada Negreiros), Herberto Hélder, Fernando Pessoa, Fernando Pinto do Amaral  ou José Tolentino Mendonça.

Ouve quem se emocionasse com José Régio e Miguel Torga, risse com Mário Henrique Leiria e Alberto Pimenta e até quem se surpreendesse com um poema de Aleixo ou de Garrett. Tudo isso e muito mais, numa noite onde só todas aquelas pessoas, os astros e os deuses se lembraram até que a memória dos homens perdure no Universo.

A todos os que assistiram, o meu sincero muito obrigado.

Aqui ficam algumas fotos do evento:



O Dr. Luís Quintino lendo um poema de 
Carlos de Oliveira


O sr. Alberto lendo um poema de 
Eugénio de Andrade


A professora Maria Teresa Stanislau
lendo um poema de Sophia de Mello
Breyner Andresen


Raquel Gomes de Pinho lendo
um poema da sua autoria


O Professor - e escritor - Josias Gil
lendo um poema de Carlos Poças Falcão


O senhor Serafim lendo um poema 
de Miguel Torga


O público presente na sessão


O Professor Josias Gil lendo o poema
"O Silêncio saiu à rua" de Tiago Moita


Raquel Gomes de Pinho 
lendo um excerto do poema "Manifesto Anti-Dantas"
de José de Almada Negreiros 


O Dr. Campelo recitando o célebre poema
de José Régio "O Cântico Negro"


Clara Lencastre lendo o poema
"Da mãe ao filho" do poeta norte-americano
Langston Hughes.


Liliana Santos lendo um poema da sua 
autoria.


O poeta Francisco Guedes de Amorim
lendo um poema da sua autoria


O senhor Carlos Pinho declamando
"A Nau Catrineta" de Almeida Garrett


Uma senhora lendo um poema da sua 
autoria, dedicado à sua neta.

A próxima sessão é daqui a duas semanas, dia 15 de Julho no Neptúlia Bar, 
a partir das 21H30.

Apareçam!

Nenhum comentário: