quinta-feira, 13 de novembro de 2014

PARA SEMPRE, MANOEL DE BARROS (1916-2014)


POEMA

A poesia está guardada nas palavras - é tudo que
eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as 
insignificâncias (do mundo e das nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.

Manoel de Barros
(1916-2014)

Adeus? Nunca!

...até sempre poeta...

Nenhum comentário: