terça-feira, 31 de março de 2015

8ª "FUGA POÉTICA" NA CONFEITARIA COLMEIA EM SÃO JOÃO DA MADEIRA (07.04.2015)


AVISO À  NAVEGAÇÃO

Depois do grande sucesso da 10ª "Fuga Poética" no Neptúlia Bar em São João da Madeira na terceira terça-feira do mês de Março, as noites poéticas mensais em São João da Madeira regressam em força no dia 7 DE ABRIL na CONFEITARIA COLMEIA, a partir das 21H30 em SÃO JOÃO DA MADEIRA.

A partir desta sessão vai haver uma grande homenagem poética ao maior poeta, depois de Fernando Pessoa, e aquele que mais marcou a poesia contemporânea da segunda metade do século XX: HERBERTO HÉLDER.

Nessa sessão, tal como aconteceu na outra, os desafios mantêm-se:
  1. Dizer, pelo menos, um poema de cor e salteado de um poema de um(a) poeta do vosso coração ou da vossa autoria nessa sessão.
  2. Dizer um poema sobre a LIBERDADE (Tema escolhido na sessão poética anterior)
NOTA: Estes desafios são FACULTATIVOS! Aqueles que os aceitarem, aceitam de livre e espontânea vontade! Quem aceitar os segundo, terá o primeiro quarto de hora desta sessão para dizer o poema do tema escolhido.

Quem quer participar no desafio?

Venham celebrar a festa da Poesia e soltar os poemas que habitam dentro de vós e no silêncio da gaveta e dos livros!

segunda-feira, 23 de março de 2015

SOBRE A DÉCIMA "FUGA POÉTICA" NO NEPTÚLIA BAR EM SÃO JOÃO DA MADEIRA (17.03.2015)

ENTRE NÓS E A POESIA

Havia metal fundente nas mentes mais desassossegadas naquela noite de fim de terça-feira, 17 de Março, pelas 21H00. Um metal feito de palavras. Palavras de vida, palavras de morte; perfis de incêndios almiscarados sobre o fogo enzimado daquilo que nunca foi dito nem escrito. Filas de gente de costas e de frente, olhos gulosos de vício e ócio, línguas lascivas de um verso; poemas à espera de um silêncio, reflexo do seu.

Poucos foram os que faltaram para aquela noite. Aquele pedaço de viuvez do dia onde se cruzaram duas sessões poéticas, semelhantes na essência, diferentes na forma. Se, por um lado, parte do público esteve presente para escutar o actor Pedro Lamares e algumas pessoas, representantes das associações cívicas sanjoanenses, a dizer poemas dos poetas homenageados na campanha cultural  "Poesia à Mesa" deste ano (Álvaro Magalhães, Ana Marques Gastão, Manuel Bandeira, Inês Fonseca Santos, Mário Cláudio e José Régio), por outro lado, existia uma vasta multidão anónima àquele evento, paciente e ansiosa para que o último diseur terminasse de dizer o seu último poema para começar a décima edição das "Fugas Poéticas" no Neptúlia Bar em São João da Madeira - a primeira inserida no programa desta grande iniciativa cultural sanjoanense.

Sincronismo ou talvez não, a sessão começou à hora marcada. Tiago Moita, o coordenador e um dos fundadores das "Fugas Poéticas", a par do seu amigo e escritor, Edmundo Silva, abriu as hostes, dando as boas-vindas a todos e começando com a leitura do poema "You are Welcome to Elsinore" de Mário Cesariny. Logo de seguida, as intervenções não se fizeram esperar: ouviram-se poemas de poetas locais e desconhecidos, clássicos e contemporâneos. Dentro daquelas quadro paredes de convívio e boémia escutaram-se poemas de Cesariny, Herberto Hélder, António Gedeão, José Fanha, Florbela Espanca, Miguel Torga, Alice Gomes, Eugénio de Andrade, Richard Zimler (Sim!Também escreve Poesia!), António Botto, Maria Lúcia, Jorge de Sousa Braga, Nuno Júdice, António Ramos Rosa, Pedro Barroso, Guerra Junqueiro, Almeida Garrett, Castro Reis, Bocage, Manuel Bandeira e Isabel Rosete na voz de muitas figuras habituais destas noites de poesia (e liberdade) vadia, onde nem um trecho de Jules Massenet, tocado pela clarinetista Catarina Rebelo, um "Cântico Negro" de José Régio declamado pelo célebre actor Pedro Lamares, duetos poéticos "Encandescentes" e outros mais transcendentes, não deixou ninguém indiferente e muito menos sem sair daquele momento de homenagem à Poesia com um sorriso no rosto e a Poesia a escorrer dos lábios porque, como já dizia Cesariny "Entre nós e as palavras, o nosso dever, falar."

PRÓXIMA PARAGEM: Confeitaria Colmeia, terça-feira, dia 7 de Abril, às 21H30.

TEMA (FACULTATIVO) DESTE MÊS: LIBERDADE

Aqui ficam as fotos do evento:


Isabel Barbosa lendo um poema
de António Gedeão.


Maria João Lobo dizendo um poema de 
Francisco Guedes de Amorim


M Conceição Gomes lendo um poema de
Florbela Espanca.


Joana Costa dizendo um poema de 
Francisco Guedes de Amorim


Victor José lendo um poema da sua autoria:
"Emoções Despidas".


Raquel Gomes de Pinho e Joana Costa lendo
um poema da colectânea poética
"Encadescente"


Uma jovem acabando de dizer um poema da sua
autoria.


Tiago Moita interpretando o conto poético "Estilo" do livro
"Os Passos em Volta" de Herberto Hélder.


Dina Silvério lendo um poema da sua
autoria.


Adriana Seixas - uma estreante nas "Fugas Poéticas" -
lendo o poema "Confidencial" de Miguel Torga.


Carlos Pinho lendo o poema "A Idade dos Porquês"
de Alice Gomes.


A dona Lisete Gomes lendo um poema da sua 
autoria.


O doutor Luís Quintino dizendo o poema "Os 
Amantes sem Dinheiro" de Eugénio de Andrade.


Carla Isabel Mota Caravalho lendo o poema
"Parabéns Poesia" de Miguel Fernandes.


Joana Costa lendo um poema do escritor Richard
Zimler, inserido na colectânea poética "A Poesia
não tem grades" de Filipe Lopes.


Fábio Silva lendo um poema "Devemos Partir"
da sua autoria.


Tavares Ribeiro lendo um poema de um dos seus
livros de Poesia.


Ana Paiva - uma estreante nas "Fugas Poéticas" -
dizendo um poema de António Botto.


Francisco Guedes de Amorim lendo o poema
"Proezia", da sua autoria.


Manuel Dias acabando de ler o poema
"Pescador da Barca Bela" de Almeida
Garrett.


O Actor Pedro Lamares dizendo o poema
"Cântico Negro" de José Régio.


O doutor Ângelo Alberto Campelo lendo o poema
"Destino da Árvore" de Maria Lúcia.


Edmundo Silva lendo o poema "Uma voz na Pedra"
de António Ramos Rosa.


Catarina Rebelo, interpretando ao clarinete, um 
excerto da célebre ópera "Täis" de Jules Massenet.


Lena França dizendo o poema "Angústia" de FL
(Antologia Poética "Um Rasgo de Espelhos")


Raquel Gomes de Pinho lendo um poema da
colectânea poética "Encandescente".


Vânia Soares lendo um poema.


O Dr. Flores Santos Leite lendo o "Poema do
Fecho-Éclair" de António Gedeão.


O senhor Altino lendo um poema de Castro Reis.


Maria João Lobo lendo o poema "Ribeirada"
de Bocage.


O Dr. Francisco Costa dizendo o poema 
"O Anel de Vidro" de Manuel Bandeira.


O doutor Ângelo Alberto Campelo dizendo o poema "Da Pátria"
de António Correia de Oliveira.


Donzília - uma estreante nas "Fugas Poéticas" - dizendo o poema
"Forma de Inocência" de António Gedeão.


O senhor António - um estreante nas "Fugas Poéticas" - lendo um 
poema da sua autoria, acabado de escrever.


O doutor Magalhães dos Santos lendo o poema "Perdoar sem 
Esquecer", da sua autoria.


Edmundo Silva lendo o poema "Escreve?" de Isabel Rosete

segunda-feira, 9 de março de 2015

DÉCIMA "FUGA POÉTICA" NO NEPTÚLIA BAR EM SÃO JOÃO DA MADEIRA (17.03.2015)


AVISO À NAVEGAÇÃO!!!

Depois do grande sucesso da sétima "Fuga Poética" na Confeitaria "Colmeia" na primeira terça-feira do mês, as "Fugas Poéticas" em São João da Madeira regressam em força no dia 17 de Março, a partir das 21H30, no Neptúlia Bar em São João da Madeira.

Esta será mais uma sessão especial: pela primeira vez na sua história, uma "Fuga Poética" vai ser publicitada na campanha cultural "POESIA À MESA" deste ano. A sessão vai continuar a seguir a mesma informalidade, liberdade e independência, com a diferença de ser promovida, desta vez, por um dos mais emblemáticos eventos culturais sanjoanenses. Entre outras surpresas...

Nessa sessão, tal como aconteceu na outra, os desafios mantêm-se:
  1. Dizer pelo menos um poema, da vossa autoria ou de um(a) poeta do vosso coração, de cor e salteado nessa sessão!
  2. Dizer um poema sobre POESIA (Tema escolhido na sessão poética anterior).
NOTA: Os desafios são FACULTATIVOS!Aqueles que aceitarem, aceitam de sua livre e espontânea vontade! Quem aceitar o segundo, terá o primeiro quarto de hora desta sessão para dizer o poema do tema escolhido

Quem quer participar no desafio?

Venham celebrar a festa da Poesia e soltar os poemas que habitam dentro de vós e no silêncio das gavetas e dos livros!

SOBRE A SÉTIMA "FUGA POÉTICA" NA CONFEITARIA "COLMEIA" EM SÃO JOÃO DA MADEIRA (03.03.2015)

TRIBUTO A UM ADEUS

Prestar homenagem a alguém que deixou sementes de futuro na Terra e tentou criar um paraíso no coração dos homens é também Poesia, quando o momento é oportuno, a linguagem é certa e o sentimento apropriado. Nessa noite fresca de terça-feira, dia 3 de Março, na Confeitaria "Colmeia", pelas 21H30, podiam não estar todas as pessoas que gostaram do professor Josias Gil ou todos os poetas e amantes da Poesia do mundo, mas quem assistiu e participou na VII "Fuga Poética", naquele espaço emblemático da Praça Luís Ribeiro em São João da Madeira, de homenagem à Poesia e, especialmente, a um dos mais ilustres sanjoanenses que esta terra conheceu, não ficou indiferente a tudo o que aconteceu naquela noite.

Não ficou indiferente à homenagem poética e simbólica dos organizadores das "Fugas Poéticas", Tiago Moita e Edmundo Silva, quando ambos depositaram um laço preto e branco e uma rosa numa cadeira vazia, a mesma cadeira onde se sentou o ilustre professor na última "Fuga Poética" que participou - fez nesse dia um mês - e leram o poema "As minhas Asas" de Almeida Garrett, antes de entregarem o laço, a rosa e as folhas do poema que leram à família, como gesto simbólico de gratidão e tributo a esse grande homem.

Terminada a homenagem dos organizadores, iniciou-se a sessão. Num espaço preenchido com mais de setenta pessoas, houve lugar para elegias de homenagem ao professor Josias Gil, canções capazes de sublimar as almas mais adormecidas, anedotas inocentes, testemunhos sentidos de almas órfãs de saudade, acompanhadas pela Poesia de poetas tão díspares como David Mourão-Ferreira, Florbela Espanca, José Luís Peixoto, Paul Éluard, António Gedeão, Pablo Neruda mas, essencialmente de muitos poetas locais e desconhecidos que, entre o júbilo e o pranto, prestaram homenagem a alma que viveu a vida tão intensamente como um poema voando à solta pelo silêncio do mundo.

Próxima Paragem: Neptúlia Bar, 17 de Março, Terça-feira, 21H30.

Tema (Facultativo): POESIA.

Conto convosco!

Aqui ficam fotos do evento:


Parte das mais de setenta pessoas que estiveram presentes na 
sessão de homenagem à Poesia e, especialmente, ao Professor
Josias Gil


Outra panorâmica do público presente na sessão


O Dr.Flores Santos Leite lendo um poema da
sua autoria, dedicado ao Prof. Josias Gil.


Isabel Barbosa dizendo um poema da sua autoria


O Dr. Francisco Costa lendo um poema da sua
autoria, em homenagem ao Prof. Josias Gil
intitulado "Elegia ao Professor Josias Gil".


António Salgueiro - um poeta natural de Espinho e
um estreante nas "Fugas Poéticas" - lendo
um poema da sua autoria.


David Morais Cardoso lendo um poema


O senhor Amílcar Bastos lendo um poema da sua
autoria, de homenagem ao Professor Josias Gil,
intitulado "Filosofia e Viagens".


O senhor Altino lendo um poema.


O senhor Manuel Dias lendo o poema "Poesia"
de Miguel Fernandes.


Idiema Salgueiro lendo um poema.


O doutor Luís Quintino lendo um poema de David
Mourão-Ferreira.


Joana Costa lendo um poema de Florbela Espanca


O doutor João Carlos Silva lendo o poema
"Um só pensamento" de Paul Éluard.


A acordeonista - e ex-aluna do professor Josias Gil -
 Cláudia Patrícia Alves Pereira tocando uma peça
musical com o seu acordeão.


O doutor Magalhães dos Santos contando uma
anedota.


O senhor Carlos Pinho lendo o poema
"Calçada de Carriche" de António Gedeão.


Tavares Ribeiro lendo um poema da sua autoria:
"À procura do Amor".


A Clarinetista Catarina Rebelo tocando a célebre 
peça musical "Pavane pour une infant défunt"
do compositor Maurice Ravel.


Sara Gil - um das filhas do Professor Josias Gil -
lendo um poema do seu pai.


O Dr. Adão Cruz lendo um poema da sua autoria.


A professora Eva Cruz lendo um poema 
da sua autoria.


M Conceição Gomes lendo um poema de Joel Lira


O doutor Magalhães dos Santos lendo um poema
humorístico da sua autoria: "Rimeiro".


Inês Severino lendo o poema "É proibido"
de Pablo Neruda.


O poeta Valecambrense Victor José lendo um
poema da sua autoria: "Na minha solidão".


O professor Daniel Neto contando uma estória
sobre o seu amigo, o Prof. Josias Gil.


O Professor Daniel Neto lendo um poema da sua
autoria, de homenagem ao seu amigo, o Professor
Josias Gil: "Educação".

O doutor Ângelo Campelo lendo - pela primeira
vez - o poema "Lusitanos" de António F.Pina.