domingo, 12 de março de 2017

Poema "POIESIS" de Tiago Moita ("Metanoia", 2017)


POIESIS

Perguntei a uma página exangue 
do lume de um êxtase de mantras
e desejos por arder do limbo dos dias
a origem da Poesia
enquanto desflorava o silêncio
da sua carne

Debrucei-me nessa angústia filosófica
como quem mergulha num deserto
para decifrar uma sede incógnita 
e bruxuleante de tanto sofrer
e perguntei aos meus amigos,
sem didascálias,
como quem mendiga um sonho:
"De onde veio a Poesia?"

Nenhuma resposta...

Depois virei-me para os poetas de hoje,
jovens turcos feitos dentes-de-leão,
cheios de silogismos enciclopédicos
e metáforas na ponta da língua,
e fiz a mesma pergunta:
"De onde veio a Poesia?"

Nenhuma resposta também...

De seguida, virei-me para os poetas de outrora,
bibliotecas canónicas vivas
alquimistas ascetas da pureza
exilados da morfina da realidade
e fiz a mesma pergunta
mas, desta vez, a resposta foi diferente:

"Leia os Clássicos!"

Confuso com aquela resposta 
desbravei as profundezas dos livros
e comecei a esgravatar a essência
de todas as artes
devorando lirismos em chamas,
acalantos sem berço, acrósticos
anónimos, elegias sem lápide,
epigramas sem epitáfio, odes
agridoces a homens feitos deuses
pela palavra dos poetas, 
madrigais alcoviteiros, haikus e tankas
cheios de epifanias, sonetos imperiais
e quando saltei a grande muralha do ritmo...

...encontrei uma rosa
plantada num chão de mármore polar
de um templo feito de quartzo
coberto de espinhos mudos 
ao meu desassossego

Caminhei descalço para a colher
mastigando o prazer e a dor
daquela fome esfíngica,
ansiosa por se extinguir
no primeiro contacto 
com a sua pele

A rosa bebeu as minhas lágrimas
e incandesceu com o sorriso que rasguei
no meu rosto exsudado
a resposta à minha pergunta
não estava no momento em que a conheci
nem no instante em que a afaguei

Encontrei-a no intervalo.

TIAGO MOITA
"Metanoia"
Colecção "Prazeres Poéticos"
Chiado Editora
2017

Prestes a ser distribuído por todas as livrarias de Portugal e do Brasil a partir de Março de 2017.

Nenhum comentário: