sexta-feira, 29 de setembro de 2017

10 ANOS DEPOIS DO FIM DO 10(CIBEIS) BAR EM SÃO JOÃO DA MADEIRA - CRÓNICA DO FIM DE UMA LENDA (2007-2017)


(Foto da cortesia da Patrícia Cardoso. Sábado, 29 de Setembro de 2007)

10(CÍBIES)ANOS DE UMA SAUDADE

Faz hoje dez anos que nos deixaste e até parece que foi mentira. Recusei a acreditar na tua morte como quem tenta enganar a vida, com um truque de magia no fundo da algibeira das calças ou enverga uma máscara de gesso, para esconder as lágrimas das velas que acendeu em teu nome.

Gostava que soubesses que nem todos apagaram o teu nome dos calendários. Gostava que visses, através dos meus olhos e dos olhos daqueles que, ainda hoje, suspiram de saudades por aqueles seis anos em que deixaste a tua marca na minha cidade, os gritos e os uivos, as lágrimas e as gargalhadas estridentes que soltávamos nas noites em que deixávamos os relógios e as regras em casa para abraçar o vício, a loucura e o desejo acumulados durante o resto das semanas de estudo ou de trabalho ou de sem nada para fazer. 

Gostava que visses, nesses mesmos olhos, as tribos da noite que invadiram as tuas quatro paredes bicolores e o teu pátio com a tua frondosa árvore. Sim, essa árvore. Esse marco vegetal que testemunhou toda a espuma dos dias e das noites que animaram os corações e as mentes dos teus fregueses e dos meros curiosos que por lá passaram. Gostava que te lembrasses dos góticos, dos metaleiros, dos punks, dos fãs da música alternativa, como eu, quando despíamos os hábitos e a cinza das horas para curtir a noite ao som de bandas como os Meshuggah, os Tool, os Mastodon, os Porcupine Tree, os Anathema, os AperfectCircle, os Gojira, os The Dillinger Scape Plan, os Metallica (dos "bons velhos tempos"), os Megadeath, os Manowar, os Sex Pistols, os System of a Down, os Nirvana e todo o som de Seattle, os Doors (Until The End, My friend, Until The End...), enfim...todas as canções do subsolo e das lendas do Rock e do Metal que inebriavam o mais fundo do nosso ser e faziam de nós crianças loucas regressando à inocência da nossa infância e à rebeldia da nossa adolescência.

Gostava que ouvisses as conversas intemporais daqueles que se aconchegaram no teu recanto e partilharam as suas histórias e paixões, aventuras e desventuras, paranóias e partidas, em noite de "Rock N'Rollar". Gostava que te lembrasses dos teus dois festivais de rock que marcaram toda uma geração de músicos e amantes da música elétrica em São João da Madeira e fizeram desta cidade a "Seattle de Portugal" do princípio deste novo século - e milénio. Gostava que te lembrasses das noites de Metal em que eu, e os meus companheiros - e companheiras - cantávamos até à exaustão os hinos dos grandes deuses do metal como loucos, agitávamos as nossas cabeças e cabeleiras e fazíamos "Air Guitar" em sua homenagem; dos momentos hilariantes das "conversas com Joaquim Letria" à volta da fogueira; dos momentos em que eu, o Edgar e o Danny ríamos com sketches e anedotas do Herman José, dos Monty Pythons ou dos Gato Fedorento; dos concursos de DJ's que acabavam sempre em loucura; daquele amigo do Vitó que fez "breakdance" ao som dos Duran Duran; das noites extra(ordinárias) e pimbas do "Projecto Magalhães Lemos"; das bebedeiras e do som dos matrecos que jogávamos lá atrás, no pátio, das passagens de ano onde até o pessoal escorregava por causa da quantidade de cerveja deitada ao chão; das noites "kararock" onde todos queriam (tentar) interpretar as canções dos seus ídolos - tal como o Marty, com o seu "I Want Out" dos Helloween -, as noites "Back To The 80's, 90's" do Rui (Anonymous) Silva - o DJ mais barato que o Vitó alguma vez contratou, pois era pago com copos e copos de...Coca-Cola - em que cantávamos e dançávamos aos som da melhor música feita nas décadas de noventa do século passado; dos aniversários que foram lá feitos, dos poemas que escrevi, algumas vezes com a Juliana Leite, a Sara Costa e o "Gago" ou das noites em que os declamadores e amigos do José Fanha apareciam por lá, durante as campanhas "Poesia à Mesa", todos os meses de Março de cada ano. As noites em que eu conheci camaradas de verdade e amigos, alguns deles, para toda a vida. Gostava que te lembrasses, 10. Gostava tanto...

Dez anos aumentaram uma saudade insaciável e criaram um vazio que nenhum bar, ainda hoje, preencheu em São João da Madeira. Hoje, atiro para o céu a máscara, ergo o copo de cerveja que guardei no peito, acendo uma vela no coração e brindo ao vento por ti.

Para sempre, meu querido 10Cíbeis!

Tiago Moita
29 de Setembro de 2017 

1 comentário:

nuno costa disse...

eu nao morri apenas mudei para a suiça .... hahhahahahah